O Que Significa Ser Um Sacrifício Vivo?

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela misericórdia de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.”  Romano 12:1.

Paulo rogou aos romanos que apresentassem seus corpos em sacrifício vivo. Em outras palavras, era muito urgente para ele que o fizessem; era algo muito importante. Mas o que significa realmente apresentar nossos corpos em sacrifício vivo? Claramente, ele estava falando figurativamente, não literalmente. E é importante mencionar que este pedido não era apenas para os romanos, mas também para nós nos nossos dias!

Para responder a esta pergunta, combinamos dois artigos, um de Sigurd Bratlie e outro de Johan Oscar Smith. ¡ Esperamos que esta mensagem inspire você a permanecer neste estado constante de apresentar seu próprio corpo como um sacrifício vivo!

Um sacrifício vivo

Nosso culto ante Deus é apresentar nossos corpos como um sacrifício agradável a Ele. O que sacrifiquei já não me pertence. Quando Jesus entrou no mundo disse: “.preparaste-me corpo. Eis que venho, ó Deus, para fazer a tua vontade.” Hebreus 10: 5-7. Jesus pode ter usado Seu corpo para buscar algo próprio; para buscar honra e poder que o levassem a uma vida agradável. Mas Ele não viveu para agradar a si mesmo (João 6:38; Romanos 15:3), antes para apresentar Seu corpo como um sacrifício vivo e agradável. Tudo o que fez com Seu corpo foi para nosso benefício e salvação.

Agora somos chamados a segui-lo. Chegou o momento de apresentar nossos corpos em sacrifício vivo, e por isso devemos cuidar para que nosso corpo esteja pronto, santo e seja agradável para Deus para levar a cabo Sua vontade. Não devemos usar o nosso corpo para buscar o nosso próprio, mas usá-lo para o benefício do nosso próximo. (Romanos 15:1-2). A língua não deve ser usada para falar de nosso próprio nome, defendendo-nos a nós mesmos, mas para falar em nome de Deus para a edificação necessária, a fim de dar graça aos ouvintes (Efésios 4:29). Minhas pernas não devem ser usadas para correr para onde eu gostaria de ir, mas para correr para onde possa ser de grande proveito. Meus braços não devem ser usados para agarrar e tomar o que eu gosto, senão para dar aos demais algoque seja proveitoso. Portanto, o meu corpo é feito para beneficiar os outros, e não a mim mesmo.  

Se repartisse todos os meus bens para dar de comer aos pobres, e não tenho amor, de nada serve. O amor não busca o seu (1 Coríntios 13: 3,5).  Se eu desse tudo o que tenho, e ao mesmo tempo estivesse à procura de o receber de volta sob a forma de honra ou de boa fama, então não é um trabalho feito com um corpo sacrificado. Se procuro o meu, nada sou. O amor não busca o seu.

(Sigurd Bratlie)

Não se faça a minha vontade, mas a tua

Converter-se significa afastar-me da minha própria vontade para fazer a vontade de Deus. Jesus quando orou disse: “Não se faça a minha vontade, mas a tua.” Lucas 22:42. Poderia parecer que Deus requer de você coisas que são humanamente impossíveis, coisas que você nunca será capaz de fazer, mas não, absolutamente não. Deus nos deu Seus mandamentos para que os guardemos com exatidão, e como seus dias serão suas forças. Ele sempre dá graça para ajudar no tempo oportuno, e a graça é poder para fazer Sua vontade. 

Quando Jesus estava na terra disse: “Eis que venho, ó Deus, para fazer a tua vontade, como no rolo do livro está escrito de mim.”  Hebreus 10:7. Jesus tinha o poder do Espírito de Deus sobre Ele para fazer a vontade, porque Ele se ofereceu a Si mesmo pelo Espírito eterno. Tinha uma vontade própria, mas sacrificou-a para cumprir a vontade de Seu Pai.  O sacrifício que fez foi dentro de si; Ele foi obediente, por isso pôde nos ensinar a orar a oração de: “Faça-se tua vontade, como no céu, assim também na terra.”  Mateus 6:10.

O ponto é que as pessoas devem fazer a vontade de Deus aqui na terra. O poder para fazer Sua vontade o recebemos através do Espírito Santo, o qual veio sobre nós e é o mesmo Espírito que estava sobre Jesus nos dias de Sua carne. Assim como qualquer pessoa sensata aqui na terra não espera mais de seus filhos do que podem suportar, assim mais nosso pai celestial que está no céu vai adaptar Sua vontade divina às circunstâncias de nossas vidas, e se acreditarmos em qualquer outra coisa que não seja esta é incredulidade. Nosso raciocínio humano pode nos dizer que o que Deus exige de nós é irracional. Mas esses pensamentos são pecaminosos e não têm nada a ver com a realidade. A vontade de Deus é nossa santificação, e Sua vontade pode ser feita. Deve ser feita se quisermos ser santificados. Está escrito que Cristo foi feito para nós sabedoria, justificação, santificação e redenção (1 Coríntios 1:30). Deus produz em nós assim o querer como o fazer, mas sempre cuida de não colocar mais do que somos capazes de fazer.

“Sacrifício e oferta e holocaustos e expiações pelo pecado não quiseste, nem te agradaram.” Hebreus 10:8. Todos esses sacrifícios foram feitos fora do corpo, e nunca foram capazes de levar as pessoas a levar sacrifícios dentro do corpo – aqueles sacrifícios que Jesus Cristo veio oferecer. Nós também somos chamados a fazer parte deste ministério de sacrifício. Assim como Abraão e Deus estavam de acordo quanto ao sacrifício de Isaac, assim também nós devemos estar de acordo com Deus para oferecer nosso próprio Isaac. Só então pode fazer-se a vontade de Deus na terra como no céu.

(Johan Oscar Smith)

Estes artigos foram traduzidos do norueguês e foram publicados pela primeira vez no jornal de BCC Skjulteskatter (Tesouros Escondidos) com o título de “Servindo a Deus” (Sigurdbratlie) em novembro de 1932, e “A vontade de Deus – minha vontade” (Johan Oscar Smith) em janeiro de 1943. Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag | Activechristianity

 O que significa ser um sacrifício vivo?