Por Que Jesus Teve Que Morrer Na Cruz?

Deus é a fonte de vida; Ele é a luz e não há trevas nele. (1 João 1:5) A contra parte de Deus é Satanás, cujo reino é a escuridão e o pecado. Desde o início Deus deixou claro que o pecado conduziria à morte. (Gênesis 2:17; Romanos 6:23)

O pecado nos separa de Deus

Quando Satanás conseguiu enganar Eva com suas artimanhas e por sua vez a desobediência de Adão, o pecado entrou em sua natureza. Este pecado se interpôs entre eles e Deus como um véu, separando-os da fonte de vida. Espiritualmente falando, estavam mortos em suas transgressões e pecados. (Efésios 2:1) O pecado tinha entrado no mundo, foi amaldiçoado e todas as criaturas viventes também tinham que morrer fisicamente.

O pecado que entrou na natureza de Adão e Eva foi transmitido a todos os seus descendentes. Este “pecado na carne” não significa que nós cometemos pecado, mas é uma forte inclinação para fazer a nossa própria vontade em vez da vontade de Deus. Se seguirmos esta inclinação, por exemplo, quando somos tentados, cometemos pecado. Para ajudar o Seu povo a manter-se no caminho correto, Deus lhes deu leis que anunciavam Sua vontade para com eles.

Infelizmente, o povo foi extremamente fraco e nenhuma pessoa conseguiu purificar-se do pecado. Na verdade, mesmo os melhores deles costumavam pecar diariamente em pensamentos, palavras e atos. Em outras palavras, todas as pessoas eram culpadas, e Satanás podia usar isso como uma carta de acusação contra eles, então exigia que morressem. (Romanos 5:12) No templo, a casa simbólica de Deus na terra, um longo e espesso véu pendurado em frente ao Santo dos Santos, simbolizando o pecado na carne que separava as pessoas de Deus. Qualquer pessoa que passasse por esse véu morreria instantaneamente, já que nenhum pecado pode estar ante a presença de Deus.

O perdão através do sacrifício

Deus, em Seu sofrimento, deu às pessoas uma oportunidade: sacrificando um animal sem mancha para que as pessoas pudessem obter o perdão. Uma vez por ano, o sumo sacerdote podia entrar no Santo dos Santos, levando o sangue do sacrifício e obtendo expiação para as pessoas. Mediante o derramamento de sangue de um inocente sacrifício, a dívida do pecado podia ser paga. (Levítico 17:11; Hebreus 9:22)

No entanto, o sangue dos animais não conseguiu remover a raiz do problema, que é o pecado na natureza humana. Depois que seus pecados foram perdoados, o povo continuou a pecar, o que significava que eles tinham que sacrificar novamente, ano após ano. Nem mesmo o sumo sacerdote podia ajudá-los; ele mesmo era um pecador, por isso o sacrifício era tanto para ele como para o povo. (Hebreus 10:1-4).

Deus odiava estas terríveis situações. Seu desejo era ter comunhão com as pessoas e salvá-la. Ele procurava alguém que pudesse tirar as pessoas do círculo vicioso do pecado e do perdão. Mas, apesar disso de que havia pessoas justas e temerosas de Deus ao longo da história, nenhum deles era irrepreensível nem pôde “estar na brecha” entre Deus e a humanidade. Por essa razão, Deus enviou o seu próprio Filho para realizar esta grande obra na história. (Ezequiel 22:30; Isaías 41:28; Isaías 60:16; Isaías 63:5; João 3:16-17).

Jesus: Um ser humano em todos os sentidos da palavra

Jesus era o Filho de Deus, mas Ele “se despojou a si mesmo” e se converteu no “Filho do Homem” – um ser humano em todos os sentidos da palavra, com a mesma natureza humana como nós. Não obstante, Jesus nasceu do Espírito de Deus, e este Espírito o acompanhou toda a vida, dando-lhe a força para levar a cabo a tarefa a que foi enviado. (Lucas 1:30-35; Filipenses 2:5-8; Isaías 61:1-3)

“E estando na condição de homem, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz.” Filipenses 2:8. Jesus teve que aprender obediência como um homem, porque ser humano, tinha sua própria vontade ou pecado na carne e por isso foi tentado. Assim aprendeu a negar-se a si mesmo, “tomando sua cruz cada dia” e pondo esse pecado a morte. O resultado final foi que ele nunca pecou. (Hebreus 2:18; Hebreus 4:15; Hebreus 5:7-8)

Quando Jesus falou contra o pecado e a hipocrisia dos governantes religiosos desse tempo, falou com autoridade e convicção. Mas porque a morte sobre o pecado estava ocorrendo em Seu homem interior, as pessoas não podiam vê-lo e foi mal entendido por quase todos os Seus contemporâneos; Tanto, que no final foi preso e crucificado. O homem puro, justo e sem culpa morreu como um criminoso, castigado pelos pecados que nunca havia cometido. Por quê?

A expiação: um caminho a seguir

Sendo irrepreensível, o único homem em toda a história que foi completamente puro e sem pecado, Jesus, foi o único que pôde “parar-se na brecha”, o único do qual Satanás não pôde exigir nada. Ele foi o único que não merecia a morte, nem física nem espiritualmente falando. Mas, para cumprir o propósito pelo qual viera à Terra, oferecendo-se Jesus voluntariamente, foi crucificado como o último sacrifício inocente. Ele morreu como o Cordeiro de Deus, a expiação para toda a humanidade. Ele suportou o castigo de todos os nossos pecados e morreu, o justo pelos injustos. (Romanos 5:10; 2 de Coríntios 5:21; 1 de Pedro 3:18) Não só morreu fisicamente, mas também experimentou a separação de Deus enquanto estava pendurado na cruz. (Mateus 27:46; Marcos 15:34) Por meio deste sacrifício, todos aqueles que crêem n’Ele podem receber perdão.

A morte de Jesus na cruz do Calvário, é definitivamente um dos eventos mais significativos e poderosos da terra, na realidade é apenas uma parte da história cristã. Pela força do Espírito que esteve com Jesus desde Seu nascimento, Ele “padeceu na carne” negando e não cedendo à inclinação do pecado que tinha em Sua natureza como ser humano. Desta forma o pecado em Sua carne foi condenado e “colocou-o à morte”, “crucificando” as paixões e desejos. Assim, apesar de ter sido tentado, nunca pecou. (Hebreus 2:18; Hebreus 4:16)

Quando Jesus morreu na cruz exclamou: “Consumado é!” Naquele momento, o último fragmento do pecado que havia herdado na natureza humana havia sido crucificado e Sua obra na terra havia terminado. Quando Jesus morreu, o véu pesado no templo foi danificado de cima a baixo. A dívida tinha sido paga; o caminho de volta para o Pai estava aberto.

As vitórias de Jesus sobre o pecado eram também vitória sobre a morte. Ele não ficou no túmulo, mas ressuscitou dos mortos com um corpo glorificado, que contém toda a plenitude da própria natureza de Deus. Depois de 40 dias, Ele ascendeu ao céu, onde hoje está sentado à direita do Pai. (Filipenses 2:5-11; Colossenses 2:9)

Irmãos de Jesus!

Então qual foi a diferença entre a crucificação e o sacrifício de Jesus e o sacrifício e o perdão no Antigo Pacto? Como a morte de Jesus na cruz tira o pecado em nossa carne? Por que ainda somos tentados? Isto porque o perdão por si só não foi o objetivo final da vida de Jesus, nem é o objetivo final de um cristão. No entanto, o perdão é apenas o começo. O próprio Jesus o indica muito claramente: “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias, e siga-me.” Lucas 9:23.

O propósito de Jesus não foi somente ser um sacrifício expiatório pelos pecados das pessoas. Ele queria discípulos, pessoas que o seguiam. Não podemos segui-lo até à morte na cruz do Calvário, mas podemos tomar a nossa cruz todos os dias!

Ao segui-lo neste caminho, nos tornamos Seus discípulos e nos envia o Espírito Santo para nos dar a mesma força que Ele teve para vencer o pecado. Também padecemos na carne, também crucificamos a carne com suas paixões e desejos, também colocamos à morte “as obras da carne” pelo Espírito e terminamos com o pecado; assim nos tornamos “membros de Seu corpo”nos tornamos irmãos de Jesus e participantes da natureza divina! (1 Pedro 4:1-2; Gálatas 5:24; Romanos 8:13; 1 Coríntios 12:12-14; Hebreus 2:11; 2 Ped
ro 1:2-4)

A morte de Jesus na cruz do Calvário foi o culminar da Sua incrível obra de amor para conosco. Por Sua morte reconciliou o que crêem n’Ele com Deus e mediante Sua vida abriu um caminho de volta ao Pai para aqueles que O seguem. Através da morte sobre o pecado, Jesus venceu a morte. (Hebreus 2:14-15) Por meio da Sua vida nos deu vida. Jesus Que Seu sacrifício não seja em vão -e que tenha mais discípulos, que não se envergonhe de chamar irmãos!

 Por que Jesus teve que morrer na cruz?